São Paulo, 18/08/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Dia desses, por coincidência que só a Internet proporciona, trocando mensagens sobre cães abandonados encontrei uma pessoa que trabalha com florais (quem quiser o endereço eletrônico dela me avise).
Como sou uma pessoa atópica, vulgarmente também conhecidas como alérgicas e cansado dos tratamentos tradicionais que não resolvem nada pois atacam o sintoma e não o problema, resolvi tentar as gotinhas da nova era.
Ainda estou no início do que imagino ser um tratamento longo e, por isso, não posso ainda falar em resultados. Mas outras conclusões eu já tirei.
Mesmo conversando com mulheres, colegas de trabalho, os tais forais foram taxados de viadagem. Fiquei perplexo: se esse tipo de acusação viesse de machões bebedores de cerveja, vá lá, mas de mulheres!... Onde foi parar o feminismo? A igualdade e a liberdade?
Depois, quando a gente fala que muitas mulheres são mais machistas que alguns homens, ficam bravas.
Pensando um pouco sobre o assunto, contra-ataquei.
Tomando florais, um cara como eu poderia ser um dos pelo menos quatro tipos de homens:
- os viadinhos, bichinhas mesmo, que tomam florais levantando o dedinho ao apertar o conta-gotas. São homossexuais declarados e ponto-final;
- os inseguros, que tomam, mas negam ou disfarçam pois têm medo do que vão pensar dele;
- os tais machões bebedores de cerveja, que nem ligam pra isso, ao contrário, perguntam se é alguma nova loja de flores ou algum tipo de bebida (se for bem alcoólico até experimentam);
- os equilibrados, que sabem de sua condição sexual, de sua masculinidade (não macheza, veja bem) e não têm medo nem liga para o que pensem dele - basta o que ele mesmo sabe sobre ele.
Dito isso, abri meu vidrinho, pinguei quatro gotas na língua e terminei meu almoço.
*******
Luís Henrique M. Paulo,
Publicitário graduado pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero
e especializado em Marketing através de cursos no SENAC, Madia Marketing School, FGV-SP e Business School São Paulo.
Mantém um blog (As Minhocas em Minha Cabeça) no "LINK" do jornal O Estado de São Paulo e escreve aleatoriamente sobre qualquer assunto que desperte sua atenção.
Cachorreiro, participa de grupos de discussão sobre direitos dos animais e colaborou na elaboração inicial do projeto Bicho no Parque (http://www.bichonoparque.com.br/), sobre cuidados prestados a animais abandonados.

Colunista do site Florais e Cia - www.floraisecia.com.br
E-mail:henriq@uol.com.br

A Publicação é autorizada, CONSERVANDO TODOS OS CRÉDITOS E
CITANDO A FONTE: site “Florais e Cia” – www.floraisecia.com.br



<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS